Bem-vindo ao futuro da área de seguros com Inteligência Artificial, visto pelos olhos de Scott, um cliente no ano de 2030.

Scott prefere não ter carro. Não é mais necessário em 2030. Como precisa se locomover para uma reunião no centro da cidade, Scott solicita ao seu assistente pessoal digital um veículo com recursos de direção autônoma para ir até o centro da cidade. Em 2030, o aluguel e compartilhamento de automóveis é uma realidade ao alcance das mãos no smartphone.

Ao entrar no carro, Scott decide que prefere dirigir e coloca o carro no modo “ativo”. O assistente pessoal de Scott mapeia uma rota potencial e a compartilha com sua seguradora de mobilidade, que responde imediatamente com uma rota alternativa que tem uma probabilidade muito menor de acidentes e danos ao carro, bem como o ajuste calculado de seu prêmio mensal.

O assistente de Scott avisa que seu prêmio de seguro de mobilidade aumentará de 4 a 8% com base na rota que ele selecionar e no volume e distribuição de outros carros na estrada. Também o alerta de que sua apólice de seguro de vida, que agora é precificada com base no conceito “pay-as-you-live”, aumentará 2% neste trimestre. Os valores adicionais são debitados automaticamente de sua conta bancária.

Quando Scott estaciona no seu destino, seu carro esbarra em uma das várias placas de estacionamento. Assim que o carro para de se mover, o diagnóstico interno do veículo determina a extensão do dano. Seu assistente pessoal o instrui a tirar três fotos da área do para-choque dianteiro direito e duas dos arredores. Quando Scott volta ao banco do motorista, a tela no painel informa sobre o dano, confirma que a solicitação do seguro foi aprovada e informa que um drone foi enviado ao local para inspeção. Se for possível dirigir o veículo, ele pode ser direcionado para a oficina da rede mais próxima para reparo. Lá Scott vai receber um veículo substituto e poderá seguir seu dia normalmente.

Embora esse cenário possa parecer além do horizonte, essas histórias de usuários surgirão em todas as linhas de seguro com frequência crescente na próxima década. Na verdade, todas as tecnologias exigidas acima já existem, e muitas estão disponíveis para os consumidores. Com a nova onda de técnicas de aprendizado profundo (Deep Learning), como redes neurais convolucionais, a Inteligência Artificial (IA) tem o potencial de cumprir sua promessa de imitar a percepção, o raciocínio, o aprendizado e a resolução de problemas da mente humana.

Nesta evolução, a área de seguros mudará de seu estado atual de “detectar e reparar” para “prever e prevenir”, transformando todos os aspectos do mercado no processo. O ritmo da mudança também acelerará à medida que corretores, consumidores, intermediários financeiras, seguradoras e fornecedores se tornarem mais aptos a usar tecnologias avançadas para aprimorar a tomada de decisões e a produtividade, reduzir custos e otimizar a experiência do cliente.

À medida que a IA se torna mais profundamente integrada no setor, as operadoras devem se posicionar para responder ao cenário de negócios em mudança. Os executivos de seguros devem entender os fatores que contribuirão para essa mudança e como a IA reformulará os sinistros, a distribuição, os tipos de planos de seguros e os preços. Com esse entendimento, eles podem começar a desenvolver as habilidades e preparar os talentos que farão isso acontecer, adotar as tecnologias emergentes e criar a cultura e a perspectiva necessárias para serem participantes de sucesso no setor de seguros do futuro. O impacto proporcionado pela IA será imenso e revolucionário.

Este é o primeiro de uma série de 3 artigos sobre a IA na área de seguros. Os artigos foram inspirados no relatório da McKinsey sobre O Impacto da Inteligência Artificial no Futuro da Área de Seguros.

Fique atento aos posts em nosso Blog: blog.dsacademy.com.br

Equipe DSA

Referências:

Formação Inteligência Artificial

Insurance 2030—The impact of AI on the future of insurance