A Revista americana Forbes divulgou às vésperas do Natal, algumas tendências e previsões para 2017, feitas por executivos de grandes empresas nos EUA. Se você acompanha a Data Science Academy, muitas dessas previsões não serão novidade para você, mas é sempre bom ouvir o que os principais líderes executivos de grandes empresas pelo mundo estão esperando para 2017. Confira!

Esta é a temporada em que as pessoas exercitam a famosa frase “aqui está o que nós pensamos que vai ocorrer no próximo ano no mercado de tecnologia”. Obviamente, ninguém sabe o que vai acontecer amanhã, muito menos nos próximos 12 meses, mas o exercício ajuda a identificar o que é tendência e o que não é para 2017. E sem dúvida, Inteligência Artificial (e Deep Learning) são os assuntos mais quentes em praticamente todas as previsões. E trazem consigo a consolidação do Big Data, principal combustível para a Inteligência Artificial.

E dentro da tendência mais quente (Inteligência Artificial), o segmento mais quente é o mercado de chatbots e assistentes virtuais. “O movimento em direção a interfaces de conversação vai acelerar”, diz Stuart Frankel, CEO da Narrative Science. “Os esforços recentes, combinados com o trabalho de pesquisa e desenvolvimento de gigantes tecnológicos inovadores apontam para um ano em que interagir com tecnologia através da conversação se tornará o padrão. As interfaces de conversação são realmente um grande negócio? Sim e elas estão mudando o jogo. Desde o advento dos computadores, fomos obrigados a falar a linguagem dos computadores para nos comunicar com eles e agora estamos ensinando-os a se comunicarem na nossa língua“. Genial!

Aman Naimat, Vice-Presidente de Tecnologia da Demandbase, analisa o lado da oferta da nova interface do consumidor. “Os profissionais de marketing começarão a ter conversas hiper-personalizadas com seus clientes usando IA”, ele prevê, acrescentando: “O uso mais interessante e valioso para a IA é a capacidade de permitir aos comerciantes, conversas personalizadas com clientes. Este tipo de comunicação personalizada elimina o spam inútil que muitas vezes atrapalha o trabalho de marketing. Essas conversas personalizadas já estão acontecendo entre os gerentes de contas estratégicas, mas em 2017 a inteligência artificial permitirá que essas conversas cresçam além de um seleto grupo de pessoas. Imagine cada um dos 10 milhões de visitantes de uma empresa tendo uma conversa personalizada com o atendimento ao consumidor, isso em poucos segundos e através de qualquer dispositivo. Desde anúncios personalizados até experiência única em websites, a IA fará com que a hiper-personalização seja possível “.

O sucesso recente da aprendizagem profunda (Deep Learning) em tarefas como o reconhecimento de imagens e a tradução automática tem servido de catalisador para investimentos e experimentação com a IA e Bill Franks, Chief Analytics Officer da Teradata, prevê que “o aprendizado profundo sairá da zona de propaganda e vai se tornar realidade. “Diz Franks, com uma nota de cautela:” Aprendizagem profunda se tornou um “buzz” maciço recentemente. Infelizmente, muitas pessoas estão mais uma vez cometendo o erro de pensar que a aprendizagem profunda é uma mágica, uma bala “cura-tudo” quando acerta o alvo. O fato é que o aprendizado profundo é surpreendentemente poderoso para algumas áreas, como o reconhecimento de imagens. No entanto, isso não significa que ele pode ser aplicado a todos os problemas. Embora a aprendizagem profunda será implementada em um grande número de empresas no próximo ano, o mercado vai começar a reconhecer onde realmente faz sentido ou não utilizar a tecnologia. Ao definir melhor onde a aprendizagem profunda pode ser usada, aumentará o foco sobre as áreas certas de aplicação, acelerando a entrega de valor “.

E por falar em valor, o valor está nos dados. A inteligência artificial, especialmente a aprendizagem profunda, precisa do Big Data para mostrar seu valor e também é uma nova fonte de geração de dados. Alan O’Herlihy, CEO da Everseen, prevê que “IA irá informar e não apenas performar, através de diferentes segmentos de mercado”. E O’Herlihy completou: “Tomemos, por exemplo, o setor de varejo, que sofreu com a sua incapacidade de detectar itens não-escaneados no checkout – o que é responsável por 30% da perda anual dos varejistas – que descobrem a perda no inventário bem depois do fato ter ocorrido. A IA vai intervir para abordar questões como essa em todas os segmentos do mercado, coletando e analisando grandes volumes de dados e gerando dados como resultado da análise. Esses dados resultantes estão se tornando um benefício secundário para as empresas que usam IA.”

Da mesma forma, Quentin Gallivan, diretor executivo da Pentaho, prevê que “os primeiros adeptos da IA e Machine Learning na área de análise ganharão uma enorme vantagem na digitalização dos negócios”. Gallivan completa: “Os primeiros adeptos ganharão um salto no mercado em 2017 porque sabem que quanto mais cedo esses sistemas começarem a aprender sobre os contextos em que operam, mais cedo eles vão começar a trabalhar os dados para fazer previsões cada vez mais precisas. Isso é igualmente verdade para o varejista on-line querendo oferecer melhores recomendações aos clientes, um fabricante de automóveis self-driving ou um aeroporto que procura evitar o próximo ataque terrorista”.

“Assim como a maioria das empresas evoluiu para incluir recursos em nuvem, 2017 trará aprendizado de máquina para quase todos os aspectos da TI”, prevê Ash Ashutosh, fundador e CEO da Actifio. Ele resume a conexão entre Big Data e IA: “À medida que nos movemos para além da era de simplesmente capturar o Big Data, a aprendizagem de máquinas dará início a uma nova era de compreensão e análise de dados”.

Peter Isaacson, CMO da Demandbase, respondeu às previsões feitas por Stephen Hawking e prevê que “Inteligência Artificial vai destruir o mundo, mas não antes de realmente ajudar os comerciantes B2B.” Isaacson completou: “IA vai permitir que os comerciantes B2B possam usar cada vez mais dados e compreender toda a rede de negócios de uma empresa, incluindo clientes, parceiros, fornecedores e muito mais. Essa visão completa de 360 graus permitirá aos profissionais de marketing prever melhor os potenciais compradores, personalizar campanhas e fechar mais negócios, estendendo ainda mais o valor do marketing”.

Os dados são fundamentais para o sucesso da inteligência artificial, razão pela qual a qualidade dos dados é tão importante!

“Em 2017, a qualidade dos dados fundamentais será um pré-requisito para previsões de qualidade feitas por sistemas de IA “, prevê Darian Shirazi, co-fundador e CEO da Radius. “Veremos mais empresas se concentrando em resolver o desafio de manter dados precisos e valiosos, para que a tecnologia da IA atenda às suas promessas de conduzir mudanças e melhorias para as empresas”.

O sucesso (contínuo) das grandes soluções de dados depende, por sua vez, da rápida adaptação às novas realidades da nuvem e, com ela, o aumento da proeminência do Big Data. Dave Mariani, CEO da AtScale, prevê que “o HDFS como sistema de arquivos dará lugar ao armazenamento de objetos” e como resultado, “os provedores de nuvem pública competirão com as tecnologias de armazenamento de objetos que serão mais rápidas e rentáveis”. “Distribuições do Hadoop existentes hoje (Cloudera, Hortonworks, MapR)”, acrescenta Mariani, “estarão em desvantagem em comparação com ‘Hadoop-como-um serviço’ de fornecedores como Amazon EMR, Dataproc e Azure HD Insight”.

Ashish Thusoo, CEO da Qubole, também acredita que “Big Data e Cloud andarão de mãos dadas”. Diz Thusoo: “À medida que o Big Data passa de um experimento para um esforço em toda a organização, o custo, o tempo e os recursos necessários para gerenciar um enorme data center não faz sentido. Como resultado, mais e mais empresas vão olhar para a nuvem como forma de reduzir os custos de gerenciamento de dados. Em 2017, esperamos que as empresas movam seus grandes projetos de dados para a nuvem, em massa. “Além disso, veremos mais organizações optarem por um modelo de dados de autoatendimento para que qualquer pessoa na empresa possa extrair dados facilmente para descobrir novos insights para tomar decisões empresariais”.

Em geral, diz Ihab Ilyas, co-fundador da Tamr e professor de Ciência da Computação da Universidade de Waterloo no Canadá, “Data Analytics vai ser vertical, e as empresas que constroem soluções verticais dominarão o mercado. Empresas de análise de dados de propósito geral começarão a desaparecer. As startups de análise de dados verticais desenvolverão suas próprias soluções de pilha completa para a coleta, preparação e análise de dados.”

Percebeu? Inteligência Artificial já é realidade e agora caminha para a consolidação no mercado, em diversos segmentos. Embora alguns postos de trabalho serão inevitavelmente perdidos, muitas outras oportunidades de negócio surgirão, para aqueles atentos às mudanças no mercado. O Big Data e armazenamento em nuvem serão ponto chave para a evolução de sistemas inteligentes.

Já conhece nossa Formação em Inteligência Artificial? São 9 cursos e 1 projeto de desenvolvimento de um sistema baseado em inteligência Artificial para assistente virtual. Clique no link abaixo para ver o programa completo e se inscreva hoje mesmo.

Formação Inteligência Artificial

Referências:

Saúde: como a inteligência artificial pode ajudar nos diagnósticos

Forrester Predicts Investment In Artificial Intelligence Will Grow 300% in 2017

5 predictions for artificial intelligence in 2017

 AI system that correctly predicted last 3 US elections says Donald Trump will win

 2017 Predictions For AI, Big Data, IoT, Cybersecurity, And Jobs From Senior Tech Executives

 Tiago Pereira

CEO Data Science Academy